Transposição Didática e atuais Recursos Pedagógicos: convergências para o diálogo educativo

Ana Maria Bosse (anahboss@hotmail.com), Universidade Federal de Santa Catarina, Brazil and Juliana Bergmann (jcfbergmann@gmail.com), Universidade Federal de Santa Catarina, Brazil

Resumo : Esta pesquisa, desenvolvida com alunos do 3º ao 5º ano do Ensino Fundamental brasileiro, tem como objetivo analisar a importância da renovação dos recursos pedagógicos no contexto educacional, da sociedade contemporânea, e refletir sobre as possibilidades e potencialidades destes recursos no processo de repensar o papel da escola nesta cultura digital, para assim atender as necessidades educacionais e favorecer o diálogo educativo.

Introdução

Atualmente, em nossa sociedade, as Tecnologias Digitais de Informação e Comunicação, associadas à internet, têm proporcionado mudanças constantes na circulação dos saberes, na produção e apropriação dos conhecimentos, passando a informação a ser o bem de maior valor social, e como já apontado por Pérez Goméz (2015:15), nesta era “a atividade principal dos seres humanos tem a ver com a aquisição, o processamento, a análise, a recriação e a comunicação da informação”. As constantes inovações tecnológicas, desta cultura digital, vêm influenciando e interferindo nas relações interpessoais, despertando novas formas de gerenciar socialmente o conhecimento, de ensinar e aprender.

Nesta perspectiva, podemos destacar duas situações recorrentes no contexto educacional desta sociedade: 1) os recursos pedagógicos oferecidos nas escolas muitas vezes não levam em conta o uso potencial das novas mídias pelos alunos, ignorando todas as experiências cotidianas que eles desenvolvem e adquirem com essas novas tecnologias; 2) muitas vezes a escola dispõe de inúmeros recursos tecnológicos (midiáticos) de última geração, mas estes são subutilizados, sem que o educador os inclua em seu planejamento, seja por desconhecimento, seja por não acreditar que fará qualquer diferença ao aluno. Assim, se faz necessário pensarmos em elos que favoreçam esta aproximação.

Uma proposta para fomentar um maior diálogo educativo, conforme a presente pesquisa – realizada em uma escola de Ensino Fundamental onde atuo como Coordenadora Pedagógica –, dá-se através da compreensão do uso e da definição dos recursos pedagógicos no processo de ensino e aprendizagem, considerando que estes precisam ser constantemente reavaliados, de forma a beneficiar principalmente a transposição didática dos saberes, acreditando, assim, que o caminho para a construção de um novo pensar e de um novo fazer se edifica no questionamento, na pesquisa, no revisitar e analisar os modelos existentes para então propor novos indicativos. Para exemplificar, apontamos que o uso da internet, dos sites e dos aplicativos, através dos computadores, dos tablets e dos celulares, utilizados como recursos pedagógicos, podem proporcionar novas práticas para aproximar o conteúdo didático com a práxis da sala de aula, estabelecendo uma conexão concreta com a cultura cotidiana do aluno.

Recursos Pedagógicos na era digital

Dentro de todo este entrelaçar de mudanças advindas das novas tecnologias, é notório que a informação está à disposição em qualquer momento, a todo tempo, nos mais diversos locais; as tecnologias de comunicação trazem consigo esta potencialidade, fenômeno intitulado “ ubiquidade” (Santaella, 2013); as potencialidades da comunicação, principalmente com os dispositivos móveis e digitais, são inúmeras.

As novas gerações já nascem imersas nesse contexto da cultura digital. Desde muito cedo os sujeitos interagem com as mais diversas tecnologias de informação e comunicação e o mundo do ciberespaço já é parte constituinte do seu cotidiano. Assim, se adaptam a ele muito rapidamente e trafegam por entre essas novidades tecnológicas com desenvoltura e habilidade. Diante desta realidade, precisamos refletir, analisar e repensar o papel da escola e do ensino de modo que compreenda o contexto da sociedade atual.

Rivoltella (2007, apud Didonê, 2007), propõe que a mídia pode e deve permear os processos de ensino e aprendizagem, como acontece com a escrita, destacando que o papel assumido pelo professor que usa as novas tecnologias midiáticas não se limita a falar, mas sim, a direcionar o uso dos meios de comunicação pelos alunos.

A partir destas reflexões, podemos destacar que no atual contexto educacional nos encontramos diante de “escolas analógicas e cabeças digitais” (Petarnella, 2008), sendo pertinente e necessário trazer o mundo vivencial do aluno – tecnológico e midiático desta cultura que já faz parte do nosso cotidiano, para o ambiente escolar, e assim favorecer um verdadeiro diálogo educativo em que todos se beneficiem.

Recursos Pedagógicos: caminho para o diálogo educativo

Acreditando nas potencialidades dos recursos pedagógicos e na contribuição destes para aproximar e envolver o aluno no processo de ensino e aprendizagem, ponderamos também a importância destes como elementos que fazem parte da cultura do homem, que o colocam em contato com o seu tempo, com a sua historicidade.

Ao considerarmos que os recursos pedagógicos comportam em si a missão e o potencial, de se bem utilizados, de aproximar o aprendiz da sua aprendizagem, possibilitando maior entendimento na relação com o currículo pedagógico, mais interação na relação dos sujeitos envolvidos neste processo educacional, compreendemos que eles abrem para uma nova linguagem do aprender. De acordo com Eiterer e Medeiros (2010: 1), definimos como recursos pedagógicos “o entendimento daqueles lugares, profissionais, processos e materiais que visem assegurar a adaptação recíproca dos conteúdos a serem conhecidos aos indivíduos que buscam conhecer”, e atendendo o importante papel que estes ocupam e desempenham no universo pedagógico, ainda compete destacar que sua abrangência está além da materialidade dos recursos em si.

Atualmente estamos diante de outro pensar pedagógico, que leva em consideração a importância da transposição didática nas relações de aprendizagem, nas relações entre aluno, professor, conhecimentos científicos, currículo, escola, prática pedagógica e recursos pedagógicos, e Almeida (2011: 11), enfatiza que “as nossas discussões acerca da transposição didática têm de ser entendidas dentro de uma concepção multiforme e ininterrupta”. Pois, se é ao fazer pedagógico que compete tornar esta cultura transmissível e assimilável, ainda de acordo com o autor (Almeida, 2011), de algum modo é necessário transcender as diferenças e, através da interdisciplinaridade, rompermos com uma técnica homogeneizadora e homogeneizante de currículo, que engessa os conhecimentos, e que não compreende o valor da contextualização na prática educativa. Faz-se necessário pesarmos o fazer pedagógico através da prática reflexiva, e conforme Perrenoud (2002: 65), “a prática reflexiva é uma relação com o mundo: ativa, crítica e autônoma. Por isso, depende mais da postura do que de uma estrita competência metodológica”. Nesse sentido, diante de todo o contexto apresentado sobre as condições da escola contemporânea e do aluno nesta sociedade da informação - da cultura digital, esta pesquisa, prima por investigar as possibilidades do uso de recursos pedagógicos e tecnológicos digitais ( tablets, celulares, internet, sites, aplicativos), promover o diálogo educacional entre professor e aluno bem como favorecer a transposição didática, estimular no aluno o hábito da pesquisa e tornar mais significativo ao aprendiz o processo de ensino e aprendizagem, e analisar se estes recursos podem proporcionar uma nova relação no diálogo entre currículo, metodologia, professor e aluno.


Appendix A

Bibliografía
  1. Almeida, G P. (2011). Transposição didática por onde começar? São Paulo: Cortez Editora.
  2. Didonê, D. Pier Cesare Rivoltella: Falta cultura digital na sala de aula. Nova Escola. Disponível em: . Acesso em: 14 maio 2016.
  3. Eiterer y Medeiros, C. L. Recursos Pedagógicos. Disponível em: http://www.gestrado.net.br/pdf/155.pdf. Acesso em 09/11/2017.
  4. Freire, P. (2007). Educação como Prática da Liberdade. 29. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra.
  5. Gentile, P. Antonio Nóvoa: Professor se forma na escola. Nova Escola . Disponível em: . Acesso em: 20 novembro 2017.
  6. Moran, J. M. , Masetto, M. T. y Behrens, M. A. (2003) Novas Tecnologias e Mediação Pedagógica. 7. ed. São Paulo: Papirus.
  7. Pérez Gómez, Á. I. (2015). Educação na era digital: a escola educativa. Porto Alegre: Penso.
  8. Perrenoud, P. (2002). A Prática reflexiva no Ofício do Professor. Porto Alegre: Artmed.
  9. P etarnella, L. (2008). Escola analógica: Cabeças digitais: o cotidiano escolar frente às tecnologias midiáticas e digitais de informação e comunicação. Campinas, SP: Alínea.
  10. Sacristán, J. G. (2000). O currículo: uma reflexão sobre a prática. Porto Alegre: Artmed.
  11. Santaella, L. (2013). Comunicação ubíqua: Repercussões na cultura e na educação. São Paulo: Paulus.